Dez motivos para não perder Storm x Lusa Lions

PARTIDAS_FA_lusaNo próximo domingo, a partir das 14 horas, São Paulo Storm e Lusa Lions se enfrentam pela primeira vez na história. A arena está definida: o estádio do Canindé. E não faltam motivos para você assistir uma das partidas que mais empolgarão o público paulista no ano de 2015. Enumeramos dez motivos para você não perder esse confronto. Mas se você não precisa de desculpa nenhuma, basta comprar o ingresso agora mesmo.

1- Infraestrutura de primeira
A partida acontecerá em um estádio capaz de oferecer toda comodidade ao público que comparecer para o jogo. Poucas vezes se oferece tamanha facilidade para estacionamento, chegada via transporte público e acomodações para um jogo de futebol americano na cidade de São Paulo.

2- Elencos dos dois lados
A Lusa foi a equipe que mais se reforçou para a temporada 2015 e essa será a primeira vez que os nomes estarão em campo. O Storm é um dos times mais tradicionais do estado e domina as competições realizadas em terras bandeirantes. Juntos, os times possuem o maior número de atletas paulistas convocados para a seleção brasileira de futebol americano.

3- O confronto Gardenal x Taylor
Eles são dois dos melhores jogadores do Brasil: Bruno Gardenal, pilar da defesa do Brasil Onças, e, Dhiego Taylor, o melhor linha ofensiva da seleção, terão um confronto a parte, cada um deles representando as cores azul e vermelha.

Gardenal, à esquerda, foi destaque recente em uma reportagem da revista Veja, ao lado de Taylor, à direita.
Gardenal, à esquerda, foi destaque recente em uma reportagem da revista Veja, ao lado de Taylor, à direita.

4- CBFA x TTd
O confronto entre as duas equipes marca uma importante aproximação no estado, uma vez que reúne um time que disputa o Brasileiro da CBFA e outro que disputa o também nacional, Torneio Touchdown.

5- A estreia dos novatos
O Storm aproveitará o amistoso para fazer a estreia do grupo de novatos que formam a classe 2015. Todos concordam que será uma oportunidade única para demonstrar, na prática, o que significa jogar futebol americano pela Tempestade Paulista.

10462852_724061694306698_8418936420754932566_n
Fratini em ação pelo Storm.

6- O reencontro com Leandro Fratini
O wide receiver, que por dois anos defendeu o Storm e jogou com os raios sob os ombros, sempre foi considerado um dos melhores atletas do País em sua posição. Mas perdeu espaço na seleção e acabou desembarcando no Canindé para a temporada 2015. Será a primeira vez que ele jogará contra a ex-equipe e o confronto com a secundária azul empolgará.

7- O xadrez dos treinadores
Zapparoli e Tidus fazem parte da nova geração de treinadores de futebol americano no Brasil. Ambos com menos de trinta anos, comandam Storm e Lions, respectivamente. A partida será uma excelente marca no currículo do vencedor e promete muito no quesito movimentação das peças do xadrez.

8- Food Trucks para quem gosta de comer
Para quem uma partida de futebol americano também pode ser um festival gastronômico, a organização preparou um food park próprio, onde 10 tipos diferentes de refeições serão oferecidas ao público.

9- Rivalidade
Storm e Lusa querem se encontrar faz tempo, mas nunca tiveram chance de fazer isso nos torneios que disputam. Mas a rivalidade não será menor e os dois lados prometem entregar o que o adversário merece.

10- Tudo isso só por R$ 20,00
Se você quer assistir a partida e participar desse evento único no estado de São Paulo, compre seu ingresso agora por somente R$ 20,00. Faça parte dessa rivalidade, que nasceu junto do confronto. #bluepride

Storm conquista terceira vitória seguida no Paulista

storm e ocelots
Crédito da Foto: Grasiela Gonzaga | São Paulo Storm

Sem maiores sustos, o São Paulo Storm conquistou seu terceiro triunfo, em três jogos disputados, na SuperCopa São Paulo da FEFASP, o campeonato paulista da modalidade. A vítima da vez foi o Jundiaí Ocelots, que apesar de jogar em casa, não conseguiu marcar pontos frente à Tempestade, que terminou o dia com 33×00 no placar. O resultado manteve a equipe azul na liderança de sua divisão e com a melhor campanha da competição até aqui.

Quem pode comparecer ao campo para assistir ao vivo o desafio, encontrou dois extremos: enquanto as jaguatiricas tentavam ficar com a bola o máximo de tempo possível, por meio de várias tentativas baseadas no jogo corrido, o Storm atuava de maneira produtiva no ataque, e mantinha uma defesa sólida, que pressionava o quarterback adversário todo o tempo.

“Nosso ataque permaneceu pouco tempo em campo, mas foi efetivo. Destaque para a atuação, ainda, do nosso corpo de linebackers, que conseguiram ganhar a batalha no centro do campo e minimizaram qualquer ação do Ocelots”, comemorou o treinador principal da Tempestade Paulista, William Zapparoli.

Resultado dessa pressão foi que os azuis conquistaram vários tackles for loss e duas interceptações, uma do LB Jonathas Fraccari, e outra do cornerback Felipe Gadeilha. Além de um bloqueio de field goal – efetivado por Allan Wallace, que foi escolhido o melhor atleta defensivo do dia – que acabou virando um touchdown nas mãos do safety Vandiz Silva.

Os demais pontuadores foram: Gustavo Urlacher, duas vezes – que garantiu o prêmio de destaque do ataque – e Lucas Monobloco e Renato Spy, com um TD para cada.

O Storm volta as atenções agora para o amistoso que acontecerá no próximo domingo, dia 26, no estádio do Canindé, frente ao Lusa Lions. Os ingressos já estão à venda pela página do Facebook, ao custo de R$ 20,00. A partida marcará o primeiro encontro dos times e promete muita emoção.

Enquanto o fim de semana não chega, acompanhe alguns lances da vitória frente ao Jundiaí Ocelots.

 

Storm enfrenta Ocelots pela terceira rodada do paulista

No próximo domingo (19), a partir das 10 horas, o time masculino adulto do São Paulo Storm viaja até Jundiaí para  mais uma partida do campeonato paulista de futebol americano 2015 da FEFASP. O adversário da vez é o Ocelots, que perdeu a única partida que disputou até aqui. Mas, se depender da Tempestade Paulista, a recuperação vai ficar para outro dia. O jogo acontecerá no Centro Esportivo Romão de Souza, que fica na rua Luís Benachio, S/N – Jardim Colônia.

Além do foco de recuperação de adversário, o Storm terá que lidar com os desfalques, uma vez que terá quatro atletas nos treinamentos organizados pela seleção brasileira de futebol americano, que em julho disputará o campeonato mundial. “Claro que cada um deles fará falta, mas pretendemos aproveitar a situação para dar ritmo de jogo aos que entram e, quem sabe, ainda apresentar algumas surpresas”, informa, enigmático, William Zapparoli, treinador principal da Tempestade.

PARTIDAS_FA_OCELOTSSem poder contar com os jogadores da seleção, a torcida pode ficar de olho em dois atletas, que já se destacaram anteriormente: o guard Alemão, pelo ataque, e o linebacker Jonathas Fraccari, um dos líderes da defesa.

Outro ponto que deve contribuir positivamente para uma boa partida é a condição do campo de jogo. “Tivemos uma ótima impressão, quando estivemos lá para enfrentar o Underdogs, a tendência é nos sentirmos confortáveis tanto quanto a qualidade do gramado quanto à estrutura oferecida para cada uma das equipes”, comenta o Zapparoli.

Até o momento, o Storm é o líder da divisão Sul da Conferência Metropolitana do campeonato paulista, tendo efetivado 133 pontos a favor e nenhum contra. Trata-se da melhor campanha do campeonato e uma vitória domingo deve direcionar a tempestade para o caminho da classificação aos playoffs da competição.

SERVIÇO
Jundiaí Ocelots x São Paulo Storm
Campeonato Paulista de Futebol Americano – FEFASP
Local: Centro Esportivo Romão de Souza
Endereço: Rua Luís Benachio, S/N – Jardim Colônia – Jundiaí
Horário: 10 horas
Entrada: Franca

 

 

#FALANOVATO: Schneider, mas pode chamar de superação

Schneider #13Sem sombra de dúvidas, estou vivendo um momento mágico, único e indescritível em minha vida. Mas, o caminho percorrido até esta fase de êxtase, não foi tão simples ou indolor. Inicialmente, muitos duvidaram acerca da realização deste sonho, muito por conta de um processo cirúrgico no qual fui submetido no início de 2014, onde tive algumas complicações identificadas após o procedimento. Ao todo foram 21 dias de internação, sendo 14 em Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e nove em coma induzido.

Digamos que está foi a parte melancólica da história, mas não a menos importante, pois através dela pude aproximar-me mais de Deus, crescer como pessoa, refletir mais sobre a vida e suas possibilidades, e ser mais audacioso em minhas decisões e escolhas.

Mediante a este período em que estive de “molho” e em meio a um processo final de recuperação, encontrei no São Paulo Storm: uma injeção de ânimo e motivação. Sempre fui fascinado por esportes, e um pouco antes da cirurgia apaixonei-me por Futebol Americano.

Após um ano do procedimento, e cheio de entusiasmo, resolvi arriscar minhas fichas e realizar a seletiva da Tempestade Paulista e Deus novamente não falhou, ao se mostrar generoso e me abençoar com esta família extraordinária, que me ensina a cada dia o valor do companheirismo e da superação. Pois se tivermos irmãos leais ao nosso lado, e força o bastante para superar os obstáculos apresentados a cada passo dado à frente, alcançaremos êxito em tudo que fizermos.

Aproveitando o espaço, quero agradecer aos senhores Rulli #84 e Almeida #86 pelo grande apoio e incentivo comigo durante a Clínica de Futebol Americano que aconteceu em Fev/2015, indiretamente, vocês contribuíram para que eu estivesse aqui hoje dando este depoimento, sou grato a isso, e grato por me mostrarem o valor da família Storm.

Não vejo a hora de entrar em campo e defender os raios que foram confiados sobre meus ombros, e demostrar toda a minha garra, energia, vontade e disposição em prol do time, contribuindo sempre para uma ótima performance da equipe rumo a vitórias e títulos. Somos todos um, somos uma família!

#FALANOVATO: Tati Nassif em “cadê esse tal playbook?”

Fala novata stormJogar flag sempre foi uma vontade, mas nunca uma meta. Descobri por acaso que haveria uma seletiva e um amigo disse que o Storm era o melhor. Me inscrevi e fui. Depois de um catch com uma cambalhota para trás conheci o Flanax e entrei para o time. 
A vibração das meninas começou a me contagiar. Minha família e amigos tinham certeza que eu estava ficando louca! Mas eu me sentia cada vez mais em casa! As outras jogadoras eram super prestativas me acolhendo e dando toques delicados e simpáticos. Os técnicos sempre atentos às minhas dificuldades me deram um baita apoio quando quebrei o dedo no terceiro treino. Enquanto isso, foquei nos treinos físicos e comecei a ver diferenças bem rápido.
Pouco depois que voltei tomei aquele susto com a convocação do Paulista! Peraiiii, ainda preciso aprender a esperar a blitz!? Foi ai que comecei a me dar conta de quanto tudo aquilo significava para cada uma delas e que eu precisava dar o meu máximo! Cadê esse tal playbook para eu estudar? E as regras? Tudo que davam pra fazer, eu fiz! O campeonato foi uma experiência a parte no aprendizado tático e na convivência unida e respeitosa em um verdadeiro time! Hoje passo o dia esperando noticias, fotos e piadas, pois o Storm conquistou uma parte da minha vida que eu não imaginava! – Tati Nassif, #15
NOTA DO EDITOR : Tati tinha um casamento marcado em São Paulo, na tarde do sábado, primeiro dia do campeonato. Apesar disso, viajou para São Carlos (250km) sexta à noite, jogou a primeira partida contra o Underdogs de manhã e voltou correndo para a capital. Foi ao casamento e, na na mesma noite, voltou para o interior para jogar contra o Bulldogs! Foram mil quilômetros rodados em dois dias. Menção honrosa para o “Marido”, fã número um da WR, que esteve ao lado dela o tempo todo e ajudou o time com o gelo! A jogadora terminou o campeonato com 9/10 passes completos, dois touchdowns e cinco pontos extras.